top

terça-feira, 10 de julho de 2007

poesia de um panfleto incompleto

I - Flagrante

distraído, bateu o olhar no céu
e lembrou que tinha visão


II - Falsos

sob a camuflagem de brincadeiras
se amavam sério


III - Preocupação

estava sempre preparada para o pior
mas nunca para o melhor


IV - Bar

ondulava gostoso o ar e a fumaça
que também era neblina


V - Percepção

quando se deu conta
restava apenas a intuição numa das mãos

6 comentários:

Eduardo Vilar disse...

A idéia inicial era escrever 7 poesias que coubessem em uma única página de panfleto, mas a inspiração não foi suficiente e eu já tinha perdido o fio da meada. Resolvi publicar no blog assim mesmo, incompleto. Quem sabe outro dia eu termine.

Maria Joana disse...

O resultado é interessante embora nebuloso.... não sei.. parece que ficou um gostinho de "quero mais" "quero entender" .

B. disse...

E fica a vontade de saber como seria ela completa.

Curiosidade.

Bisous.

Anônimo disse...

São ótimos esses poemas que captam momentos fugidios mas eternos. O importante aí nem foram as palavras, mas as sensações que ficaram.

Show de bola!
Abraço

R. S. Diniz disse...

Idéia muito original.


Até me inspirou a fazer algo parecido.

Maria Joana disse...

Menino sumido!!!!